7.

Hervé Koffi, no dia da sua apresentação como jogador do Lille Olympique Sporting Club Métropole
Fonte: Lille OSC

Hervé Kouakou Koffi (Belenenses SAD): Nascido na capital económica do Burquina Faso, Bobo-Dioulasso, a 16 de outubro de 1996, Koffi atravessou a fronteira rumo à Costa do Marfim, a fim de ingressar na Association Sportive des Employés de Commerce (ASEC) Mimosas que, para além de ser o clube mais titulado daquele país é, simultaneamente, uma das mais prolíferas academias de África.

Presença assídua no efetivo da seleção A do seu país desde os 19 anos de idade (estreou-se como titular, em outubro de 2016, pelas mãos de treinador português, Paulo Duarte), Hervé Koffi foi contratado pelo Lille OSC, após se sagrar campeão marfinense pelo ASEC e ter acumulado grandes prestações na CAN 2017, ao serviço da seleção do Burquina Faso (competição que os Étalons concluíram em terceiro lugar).

Uma vez chegado à cidade do norte de França, o jovem guardião burquinês não demorou a impressionar, merecendo, inclusive, diversos elogios quer por parte dos seus companheiros (nomeadamente do, também guarda-redes, Vincent Enyema), quer do seu treinador, Marcelo Bielsa. Assim sendo, não foi ao acaso que técnico argentino lhe concederia a titularidade, em virtude da ausência de Mike Maignan (habitual titular, que havia sido expulso na ronda anterior) no encontro referente à terceira jornada da Ligue 1 ante o Stade Malherbe Caen, pouco mais de um mês depois de Hervé Koffi ter assinado pelos Dogues.

Já no passado verão, ainda com 22 anos, o guarda-redes chegaria a Portugal para representar o Belenenses SAD. O ingresso de Koffi (assim como o de mais três atletas do Lille) no emblema lisboeta, surge como consequência de uma parceria estabelecida entre o emblema francês e o conjunto azul ainda no decorrer da época passada.

Anúncio Publicitário

Contrariamente aos restantes jovens (Charles Brym, Imad Faraj e Hakim Ouro-Sama), o guardião nascido na cidade de Bobo-Dioulasso já conseguiu afirmar-se na formação do Belenenses SAD (10 jogos como titular, quatro deles sem consentir qualquer golo, na Primeira Liga), denotando uma segurança acima da média para um guarda-redes tão jovem. Ágil, muito confiante a sair de entre os postes (bastante assertivo no jogo aéreo) e possuidor de bons reflexos, o futebolista que enverga a camisola número 16 do Belenenses poderá aspirar a ser opção num curto/médio-prazo no Lille OSC, se mantiver o nível exibicional até ao fim da época.