Cabeçalho modalidadesA WWE teve um papel emblemático na minha infância. Um vício que perdurou ao longo do tempo. Atualmente com 22 anos, continuo a acompanhar a realidade do wrestling profissional por um interesse muito suportado pela nostalgia de outros tempos em que acompanhar a WWE não era apenas um passatempo. Para muitos “miúdos” dos anos 90, como eu, ver WWE era quase a imposição de um estatuto no “recreio”.

Inúmeros foram os intervalos de aulas que passámos a partilhar uns com os outros as peripécias semanais que os wrestlers nos proporcionavam, muitos de nós deslumbrados pela ingenuidade de que o conteúdo da WWE não era combinado ou planeado.O wrestling era “falso”, mas a paixão não. Por vezes às escondidas dos pais, devido à violência e conteúdo explícito dos programas, ficávamos colados à televisão na expectativa de ver os nossos wrestlers favoritos, os heróis da nossa geração, que nos entusiasmavam com as suas habilidades no ringue e as suas rivalidades intensas.

Apresento os 10 principais wrestlers, que entre muitos outros, marcaram a minha geração.