SURF

A Figura do Ano – Masculina

Ítalo Ferreira – É a primeira vez que o surfista brasileiro conseguiu erguer o troféu da World Surf League e, por isso mesmo, é mais do que merecido que seja a Figura deste ano de 2019. Foi um ano histórico para Ítalo Ferreira, que, na etapa portuguesa (Pro Portugal), passou para a liderança do ranking mundial e na última etapa (Pipeline, Havai) foi só manter a liderança. Porém, o surfista fez ainda melhor e acabou por sair também vencedor da última etapa frente a compatriota Gabriel Medina, que também é duas vezes campeão do Mundo.

Ítalo Ferreira inscreve o seu nome nos vencedores do Championship Tour é torna-se assim o terceiro surfista brasileiro a conquistar o título máximo do Surf, depois de Gabriel Medina e Adriano de Souza. Portugal foi importante para o surfista, pois foi cá que fez o “aéreo” rumo ao topo da liderança e, finalmente, para conquistar o título.

A Figura do Ano – Feminina

Carissa Moore – Quatro vezes campeã do Mundo, é assim que a surfista havaiana também pode ser conhecida agora. A festa do título só não aconteceu em Portugal porque acabou por ser eliminada por Lakey Peterson e as decisões foram, tal como nos homens, também para o Havai. E ainda bem para Carissa Moore visto que festejou mais um campeonato mundial em sua casa.

Anúncio Publicitário

Neste ano, Carissa Moore venceu as etapas que se realizaram na África do Sul e em França. Depois de 2011, 2013, 2015 e agora em 2019, mais um ano ímpar em que a havaiana erguer o troféu da World Surf League. Para além do título, a surfista conseguiu ainda um bilhete para Tóquio, Japão, para participar na primeira vez que vai haver a modalidade nos Jogos Olímpicos de 2020.

Menção Especial

Fonte: World Surf League

Frederico Morais – Regressar ao Championship Tour é bom, mas regressar e ainda ser campeão do Qualifying Series (QS)? Ainda melhor! Frederico Morais tornou-se assim o primeiro português a vencer o QS com 26,400 pontos, mais 2,600 do que o segundo classificado, Jadson Andre.

Foi a cereja no topo do bolo para o surfista português, que tanto procurava voltar a estar junto dos melhores nas ondas internacionais. Depois das vitórias nos Açores e Santa Cruz (ambas em Portugal), a vitória no Hawaiian Pro foi fundamental para alcançar todos os objetivos que se propôs Frederico Morais. Muito antes de toda esta emoção, o surfista conseguiu ainda um passaporte inédito para os Jogos Olímpicos de Verão, em Tóquio. Nas ondas japonesas, “Kikas” conseguiu ser o melhor Europeu e, desta forma, o bilhete para representar Portugal novamente além fronteiras numa competição totalmente nova.

O Momento do Ano

Frederico Morais vencedor do Qualifying Series (QS) e de volta ao Championship Tour (CT) – Podiam estar aqui muitos momentos… Por exemplo, o bilhete olímpico de Frederico Morais, o caso de Gabriel Medina e Caio Ibelli em Peniche, o 10 de Ítalo Ferreira em Portugal ou a sua vitória final no CT do mesmo Ítalo. Mas escolhemos que ficasse este pela importância para as cores nacionais para quando começar a maior competição de Surf no próximo ano. São muito boas notícias tanto para o Frederico Morais como para Portugal visto que estará sempre a representar sempre da melhor maneira possível o seu país. Esperemos que daqui a um ano possamos estar aqui a escrever alguma coisa sobre uma medalha olímpica? Quem sabe…

João Barbosa31

Foto de Capa: FIFA Beach Soccer World Cup

Artigo revisto por: Jorge Neves